Arquivo da tag: cuidados

Controle a caspa nas estações mais frias!


Um dos problemas de pele (sim, de pele) recorrentes nas estações mais frias, é a CASPA, esteticamente desconfortável e incomodo, também pode aparecer durante todo o ano. Porém, a diferença entre as baixas temperaturas do inverno e as altas temperaturas do chuveiro intensificam esse problema que incomoda entre 15 e 20% da população. Saiba mais e veja as dicas para controlar a caspa!


A dermatite seborreica, é uma inflamação responsável por produzir descamação da pele, normalmente na região do couro cabeludo, mas que pode também ocorrer na face, sobrancelha, nariz, orelha, peito, costas e virilha. A caspa é intensificada nessas estações devido aos banhos quentes e longos, que aceleram a descamação natural da pele, dificultando o controle da dermatite. Além da típica descamação que gruda nas roupas e nos cabelos, a caspa pode provocar vermelhidão, coceira e ardência. Embora a inflamação tenha fundo genético, fatores emocionais, como o estresse, também podem provocar ou intensificar o problema.

Alguns hábitos adotados no outono e inverno contribuem para o maior aparecimento da caspa. São eles:

– Lavar os cabelos com menor frequência: isso pode colaborar para o acúmulo de sebo no couro cabeludo, além da menor eliminação das células mortas ou resíduos.
– Lavar os cabelos em água muito quente: vai ocasionar o ressecamento do couro cabeludo, o que estimula as glândulas sebáceas a produzirem mais sebo. O surgimento de oleosidade, por sua vez, pode contribuir para o desenvolvimento de um tipo de fungo, o Malassezia Furfur, que piora o quadro.
– Mudanças bruscas de temperatura: climas pouco úmidos favorecem o ressecamento e a descamação da pele, por isso o aumento da caspa. Entretanto, nos dias mais frios o cabelo demora mais para secar. Os fios molhados por tempo prolongado associados ao uso de chapéu e gorro para se proteger do vento frio, fazem com que o couro cabeludo fique úmido e abafado, ambiente favorável ao desenvolvimento de bactérias e fungos.
– Estresse: ele está intimamente ligado às crises, uma vez que os hormônios do estresse atuam diretamente sobre a glândula sebácea, levando a uma maior produção de sebo.
Alivie a caspa durante o inverno com estas dicas:
1. Lave os cabelos diariamente com xampu anticaspa (indicado por seu dermatologista): isso vai ajudar a remover todos os resíduos que vão se acumulando, além de evitar a oleosidade excessiva;
2. Diminua a temperatura do secador e a frequência de uso deste aparelho e de chapinhas;
3. Evite dormir com cabelos molhados e evitar abafar o couro cabeludo.
 
Se persistirem os sintomas, agende sua consulta!
Dra. Rafaela Salvato – Dermatologista

PELE NEGRA: Cuidados e Características

Vencedora do Oscar e eleita a mulher mais bonita do ano, Lupita Nyong’o.
Por mais que muitos pensem que a pele negra é mais resistente e que não precise de cuidados, estão enganados! Na verdade, em partes isso é verdade, já que a melanina, responsável pela pigmentação, funciona como um protetor solar natural e, por isso, diminui a propensão aos tumores cutâneos e minimiza o fotoenvelhecimento. A pele negra também possui mais firmeza e elasticidade em comparação com a branca, porque os fibroblastos, elementos responsáveis pela produção de colágeno, são em geral mais ativos.
 
No entanto, nem tudo são flores… Pessoas com a pele negra apresentam uma maior propensão a problemas como manchas, oleosidade excessiva, acne, foliculite, quelóides, etc. Isso prova que ela também necessita de cuidados e que muitos mitos precisam ser derrubados neste sentido. Confira os cuidados específicos para esse tipo de pele!
Proteção solar para a pele negra
Sim, a proteção solar é indispensável!  A exposição solar sem a devida proteção aumenta o risco de câncer de pele. Para as peles negras, a recomendação é de, no mínimo, um fator de proteção solar 15, que protege contra a degeneração do DNA das células e previne contra o fotoenvelhecimento. Seu uso deve ser diário, com um filtro solar adequado para o tipo de pele (oleosa, seca, sensível, etc).

Envelhecimento e oleosidade na pele negra
Alguns estudos detectaram que a pele negra possui uma camada superficial mais compacta e também com uma maior concentração de lipídios (gorduras). Isso faz com que morenos e negros apresentem excesso de oleosidade, aumentando as chances de acne. Além das espinhas, as manchas decorrentes desse problema,  se tornam bem escuras devido à maior facilidade de pigmentação. Para evitar, é necessário higienizar o rosto duas vezes ao dia, com sabonete específico indicado pelo seu especialista. Caso o problema da acne já esteja instalado, é preciso tratar com cremes, ácidos e às vezes comprimidos para resolver o problema da melhor maneira possível.
Foliculite e manchas na pele negra
Por ser uma pele mais oleosa e pela presença de pêlos encaracolados, o surgimento de pêlos encravados é comum. A foliculite, inflamação que pode até confundir-se com uma espinha, surge com frequência. Para evitar o problema e as manchas que podem surgir em decorrência dela, a esfoliação semanal com movimentos circulares delicados é uma boa opção.
A pele negra também é mais propensa a apresentar manchas, causadas principalmente por acne, queimaduras, procedimentos cirúrgicos ou estéticos. Por isso, é preciso ter cuidado na hora dos tratamentos, que devem ser feitos com agentes menos agressivos, evitando que haja reação da melanina, produzindo ainda mais manchas. Procedimentos estéticos a laser podem sim ser utilizados em pacientes com pele negra, mas precisam ser devidamente ajustados e manejados por profissionais treinados para que não queimem ou danifiquem a pele.

Hidratação para a pele negra
A epiderme na pele negra é mais espessa e mais resistente a agressões externas. Porém, essa proteção natural impede que a pele absorva bem os ativos dos hidratantes. Com isso, é comum que resseque e apresente manchas esbranquiçadas. Reforço na hidratação diária, especialmente nas regiões mais ressecadas e evitar banhos longos e excessivamente quentes, são indicações a se seguir.

Ótimo Final de Semana
Dra.Rafaela Salvato

Olheiras: causas e tratamentos

Após o Carnaval, e depois de festas prolongadas e noites sem dormir, elas sempre aparecem deixando as pessoas com um aspecto cansado! As olheiras são manchas escuras que aparecem nas pálpebras inferiores, em consequência de enfermidade, insônia, ou cansaço físico e mental. Mas você sabia que há outras causas para as olheiras? Veja também os tratamentos indicados e dicas para evitá-las!
olheiras dermatologista em florianópolis
Uma das causas mais frequentes é a que envolve a VASCULARIZAÇÃO. Algumas pessoas, por questões genéticas, têm maior número de vasos sanguíneos sob a pálpebra inferior. Como a pele da pálpebra é mais fina, consegue-se enxergar esses vasos por transparência. Quando existe essa causa, ela geralmente tem um tom arroxeado. Outros fatores de vascularização podem ocorrer com a ingestão de bebida alcoólica e, nas mulheres, na época da  TPM e da menstruação. Qualquer estímulo que cause dilatação dos vasos acaba aumentando as olheiras.
Por causas genéticas, algumas pessoas acumulam melanina na pálpebra inferior, sendo essa, outra causa de surgimento das olheiras, a PIGMENTAÇÃO. A idade e a exposição ao sol também aumentam a quantidade de melanina de toda a pele, inclusive dessa região, acentuando as olheiras.
Estes são os principais fatores, porém, há outras causas como: a espessura da pele da pálpebra inferior, hereditariedade, excesso de sol, alergias e até mesmo a configuração óssea do rosto. Quem pode avaliar com precisão as causas para o seu caso específico é o seu médico Dermatologista!!
olheiras dermatologista florianópolis
Mas, como tratar as olheiras? Confira alguns dos métodos e tratamentos mais eficazes:
Uma forma simples e que não envolve tratamento direto sobre as olheiras, mas que pode amenizar o problema, são as compressas geladas com chá de camomila ou chá verde. Cremes com derivados da camomila, como o alfa-bisabolol ou o azuleno, são úteis. O efeito, porém, é temporário.
Os tratamentos em consultório oferecem ao paciente o clareamento das olheiras com mais eficácia! Um dos tratamentos, com Luz pulsada ou laseres de ação para pigmento, suavizam as olheiras que surgem por acúmulo de pigmento. A luz pulsada também reduz os vasos da região, proporcionando um aspecto mais claro á pele. Outro método é feito com a aplicação de Laser com ação vascular. Esse tratamento atua nos vasos que causam a olheira, e é eficaz caso o principal motivo do problema seja vascular.
Evitar exposição solar sem o uso de filtro solar e pedir ao seu Dermatologista opções de uso de cremes específicos para esse problema, também são importantes.
Assim, você fica livre do aspecto cansado e da necessidade de maquiagem em excesso.

Ótimo Final de Semana.

Cuidados importantes: como remover corretamente a maquiagem

Estamos em clima de festa, de carnaval e de folia. E muita gente aproveita esses dias para caprichar na maquiagem e na caracterização. Normalmente, as maquiagens carnavalescas usam produtos um pouco mais pesados que a maquiagem de todo dia. Alguns cuidados podem ajudar na remoção correta dos resíduos deixados por esses produtos garantindo uma pele saudável por mais tempo.

O primeiro cuidado é antes de começar a maquiagem: Lave bem o rosto com sabonete específico para o seu tipo de pele, use seu hidratante de costume e espere secar. Só então comece a se maquiar.

Mesmo chegando em casa tarde e cansada, não deixe para remover a maquiagem no dia seguinte. Dormir maquiada causa danos à pele, entope os poros e o rímel pode causar a quebra dos cílios.

Comece removendo a maquiagem com demaquilante e algodão sem esfregar para não irritar a pele. Esse primeiro processo vai retirar todo o excesso de produtos. 
Depois, com um demaquilante específico, retire a maquiagem dos olhos delicadamente. Uma boa dica para retirar maquiagem à prova d’agua é usar óleo de amêndoas. Esfreque um pouquinho de óleo na região e depois retire com um algodão.
Após esse processo, lave o rosto com seu sabonete, aplique um tônico e hidrate bem!!

E, um Ótimo Carnaval!!
Dra. Rafaela Salvato, Dermatologista. 

Tratamento de Estrias

Um dos problemas que atinge grande parte das mulheres – e homens também – e que requer cuidados e tratamentos especiais. O que são estrias e quais os tratamentos indicados?

As estrias são lesões decorrentes da degeneração das fibras elásticas e de colágeno. Ocorrem pela distensão exagerada da pele ou devido a alterações hormonais. A ruptura das fibras forma lesões lineares, geralmente paralelas, que podem variar de um a vários centímetros de extensão. Surgem principalmente nas coxas, nádegas, abdômen, mamas e dorso. Inicialmente as lesões são avermelhadas ou róseas evoluindo para uma tonalidade esbranquiçada. Em pessoas de pele morena as estrias podem ser mais escuras que a pele sadia. Atinge ambos os sexos, porém são mais frequentes no sexo feminino, sendo uma das principais queixas estéticas entre as mulheres no consultório.

É comum o surgimento durante a puberdade, obesidade e gravidez. Na fase da puberdade, os adolescentes apresentam geralmente um crescimento acelerado e é nesta fase que muitas estrias aparecem. Nas meninas, costumam surgir as estrias nas nádegas, coxas e mamas. Nos rapazes, a fase do “estirão” pode causar estrias horizontais no abdômen e dorso. Algumas medicações, como os corticóides, quando utilizados por um período prolongado, podem causar ou piorar estrias já presentes.


Como evitar?

Recomenda-se a hidratação intensa da pele com cremes e loções hidratantes para tentar evitá-las, principalmente em pessoas com histórico familiar de estrias. Deve-se beber pelo menos 8 copos grandes de água por dia (2 litros). O “efeito sanfona”, ou seja, engordar ou emagrecer rapidamente também deve ser evitado. Para isso, adote hábitos de alimentação saudável, eliminando doces e gorduras da dieta e praticando exercícios físicos regularmente.




Tratamento
As estrias são lesões cicatriciais e, portanto, não existe um tratamento que faça com que elas desapareçam completamente. Os tratamentos visam melhorar o aspecto das lesões, estimulando a formação de tecido colágeno subjacente e tornando-as mais semelhantes à pele ao redor. Para isso, várias técnicas podem ser empregadas, entre elas:

  • tratamentos tópicos com ácidos: alguns tipos de ácidos, especialmente o ácido retinóico, estimulam a remodelação de colágeno na derme, melhorando o aspecto das estrias. Pode haver descamação e vermelhidão e a concentração ideal para cada caso deve ser definida pelo dermatologista, de acordo com o tipo de pele.
  • peelings: formulações de uso em consultório que também utilizam ácidos, no entanto, com uma maior concentração, geralmente levando a um melhor resultado.
  • subcisão (subcision): esta técnica consiste na introdução de uma agulha com ponta cortante ao longo da estria, com movimentos de ida e volta. O trauma causado estimula a formação de colágeno no local, que preenche a área onde o tecido estava degenerado. Provoca equimose (mancha roxa), que faz parte do tratamento, pois a reorganização do sangue também dá origem à formação de colágeno.
  • microagulhamento: pequenas agulhas acopladas em um sistema de rolamento são aplicadas ao longo das estrias. As microperfurações estimulam a formação de colágeno com a vantagem de regularizar a superfície da pele, que ganha mais uniformidade, ficando mais semelhante à pele ao redor.
  • luz intensa pulsada: a aplicação do laser provoca o fechamento dos pequenos vasos nas estrias avermelhadas e promove a formação de novo colágeno, com diminuição do tamanho das estrias recentes.
  • laser de CO2 fracionado: laser que promove a evaporação da água e age em camadas mais profundas da pele. As microperfurações provocadas pelo laser, juntamente com o dano térmico, estimulam a reorganização do colágeno e uma melhora na textura de toda a pele afetada.
Os melhores resultados costumam aparecer com a associação de mais de um método e com várias sessões. Para saber qual o melhor tratamento para você, consulte um médico dermatologista. Agende sua consulta para tirar todas as dúvidas e para que haja a avaliação do seu caso especificamente!

Ótimo Final de Semana!

Dra. Rafaela Salvato

OS CINCO TIPOS DE PELE

Você sabe qual o seu tipo de pele? Saber disso é fundamental para conseguir tomar a decião acertada ao escolher os cuidados de acordo com as necessidades da sua pele. As características da pele são determinadas geneticamente. No entanto, a beleza e saúde da sua pele durante a vida vão depender também de outros fatores. O que você come, a sua dieta, seu nível de stress, os medicamentos que toma, a forma como você cuida do seu corpo em geral e o descanso, são alguns dos fatores que contribuem com o aspecto que ela vai ter. Há várias dicas para ter uma pele bonita que você pode seguir, mas o primeiro passo é identificar o seu tipo de pele, assim os tratamentos são mais corretos e específicos.
Tipos de pele
A maior parte dos especialistas distinguem 5 tipos de pele: A pele normal, a pele oleosa, a pele mista, a pele sensível e a pele seca. Cada tipo de pele tem as suas características particulares que requerem cuidados diferentes.


Pele Normal > A pele normal tem uma textura fina e uma superfície suave, macia e flexível. De todos os tipos de pele este é sem dúvida o mais equilibrado e o que apresenta menor tendência para problemas cutâneos, como espinhas e manchas. Não é nem demasiado seca nem demasiado gordurosa. Os poros são bem pequenos e pouco perceptíveis. Este é um tipo de pele vibrante e que reflete saúde.
Pele Oleosa > Este é um tipo de pele que produz uma maior quantidade de óleo, isto é, as glândulas sebáceas devido a vários fatores (principalmente o fator genético e o fator hormonal) têm maior atividade do que nas pessoas com pele seca, normal ou mista, o que leva a uma maior quantidade de secreção de sebo. A pele oleosa apresenta poros dilatados, bem maiores do que os outros tipos de pele e também mais escuros, devido ao excesso de sebo que produzem e aos resíduos que vão se acumulando – um dos maiores problemas deste tipo de pele. É um tipo de pele marcado pelo aspecto gorduroso e brilhante que se vê em muitas pessoas. Tem também maior tendência para o desenvolvimento de cravos e espinhas. A vantagem deste tipo de pele? Rugas menos perceptíveis e aspecto mais jovial em relação à pele seca.
Pele Seca > De todos os tipos de pele, a pele seca será a que requer mais cuidados devido à sua tendência para envelhecer mais rapidamente e desenvolver problemas cutâneos mais graves. É um tipo de pele com maior tendência para descamar, ter menos elasticidade bem como desenvolver rugas e linhas de expressão do que os outros tipos de pele.
Pele Mista > Este é provavelmente um dos tipos de pele mais comuns e, como o próprio nome sugere, é uma combinação de pele seca com pele oleosa. Algumas regiões são oleosas (principalmente na zona T – queixo, nariz e testa) onde os poros são naturalmente mais dilatados e também outras áreas em que esta pode ser normal ou seca (área ao redor dos olhos, boca e bochechas). Se você sente a sua pele esquisita como se estivesse a ser esticada em algumas áreas e com excesso de óleo em outras regiões, então você provavelmente tem pele mista.
Pele Sensível > A pele sensível é um dos tipos de pele mais frágeis e se torna irritada e inflamada muito facilmente. É normal haver zonas que desenvolvam vermelhidão, coceira, manchas, ardor e uma maior tendência para descamar. Apresenta uma textura fina, delicada e bastante sensível ao uso de cosméticos, bem como às alterações do clima. A pele sensível é talvez um dos tipos de pele mais problemáticos e como tal exige cuidados especiais.
A sugestão mais correta para identificar o tipo da sua pele é com a procura de um dermatologista, que poderá lhe dar essa informação e ainda indicar os melhores tratamentos e cosméticos para seu tipo específico. Cuide bem da sua pele!
Imagens via
Dra. Rafaela Salvato, Dermatologista.

A importância do sono para uma pele saudável

Com a mudança para o horário de verão, muita gente está readaptando o seu relógio biológico. Nesses momentos é que percebemos o quanto dormir bem afeta nosso bem estar e a pele não poderia ficar de fora! Uma boa noite de sono contribui e muito para acordar com uma pele maravilhosa e muita disposição! O sono é importante para todas as funções do organismo, porque neste momento o corpo gasta somente a energia necessária para o metabolismo corporal normal, sem os excessos que usamos diariamente quando nos alimentamos, trabalhamos, estudamos, realizamos atividades físicas, etc.

As olheiras, por exemplo, são a marca mais incômoda que aparece no rosto após uma noite mal dormida. Elas podem ser causadas por vários componentes, entre eles, problemas vasculares e componentes pigmentares hereditários. Se o componente vascular é o mais importante, o sono fará uma grande diferença.
Cientificamente é comprovado que o hormônio melatonina, que auxilia a neutralizar radicais livres e orienta o nosso ciclo do sono, promove o relaxamento geral e favorece o rejuvenescimento, talvez pela facilitação da produção do hormônio de crescimento. A melatonina começa a ter sua produção aumentada pela glândula pineal a partir do pôr do sol e atinge o máximo de sua atividade entre às 22 e às 2 horas, declinando daí para frente para chegar ao nível mínimo ao clarear o dia. Embora a necessidade dos horários de sono seja inteiramente individual, parece que estar dormindo nesse intervalo de tempo beneficia a maioria das pessoas. Quem pretende manter a pele com menos estresse e rejuvenescê-la pode facilitar o processo ao dormindo nesse horário e levantar ao clarear do dia.

É também durante o sono que temos a maior ação do organismo para desintoxicar e recuperar a pele do desgaste diário. É durante a noite que temos uma maior produção de colágeno, a proteína importantíssima que entre outras coisas mantém a pele vigorosa, firme e com um ótimo aspecto! Ou seja, é nesse período que a pele busca a revitalização.
Outro ponto importante a considerar é o uso de cremes e outros tipos de e tratamento durante a noite, o que pode ser uma ótima opção já que durante a noite a transpiração é menor e a pele tem uma melhor absorção dos produtos utilizados, visto que é o momento que a pele está passando por sua recomposição.
Com todos esses benefícios, vale à pena investir em boas horas de sono e levantar com disposição para aproveitar as horinhas a mais de sol! Curta a sua primavera e o seu verão com muita alegria e qualidade de vida! Até a próxima!

Cuidados com a pele infantil

Com a proximidade do dia das crianças, falaremos um pouco sobre os cuidados que a pele dos pequenos exige. A pele infantil não é igual à pele dos adultos e requer cuidados especiais!

O conceito frequentemente reforçado por muitos pediatras de que a criança não é um adulto em miniatura é claramente exemplificado através das particularidades de sua pele. A pele infantil distingue-se da dos adultos quer em termos de características quer em termos de patologias.
A epiderme e a derme das crianças são mais finas e apresentam menor quantidade de pelos.  As glândulas do suor existem em menor número e há também uma menor atividade das células produtoras do pigmento que dá cor à pele (melanócitos). Sendo assim, a criança apresenta uma maior dificuldade em lidar com o frio e o calor, sendo mais susceptível às mudanças de temperatura. Além disso, a menor espessura da pele facilita uma maior penetração tanto de medicamentos tópicos quanto de substâncias tóxicas que entram em contato com a pele. As crianças também desenvolvem mais facilmente feridas ou bolhas quando a sua pele é exposta a calor excessivo, agentes químicos, situações traumáticas ou inflamatórias.
Vamos falar um pouco sobre um dos cuidados que geralmente é esquecido pelos pais, que tem muitos cuidados com a proteção solar, indispensável, mas esquecem que a pele dos pequenos também precisa de hidratação.

HIDRATAÇÃO DA PELE INFANTIL:
Para muitos pode parecer estranho que se recomende a hidratação da pele do bebê, pois ela normalmente apresenta uma aparência uniforme e macia. Todavia, hoje sabe-se que a barreira cutânea só se torna plenamente funcional a partir de um ano de idade. Isso faz com que a pele do bebê seja frágil e extremamente susceptível às agressões do meio externo.
Outro fator muito importante é o hábito do banho diário. Um simples banho só com água morna já é suficiente para retirar da pele o manto lipídico, camada fina composta por óleos responsáveis por manter naturalmente a hidratação e a barreira contra infecções cutâneas. Ao lavar o corpo, utilizar sabonetes e  esfregar a pele com uma esponja, muito da proteção natural se perde. Para prevenir que isso aconteça, é importante tomar banhos rápidos, com água morna e usar sabonetes neutros com pouco perfume e específicos para a pele infantil. Buchas e esponjas não são recomendadas. O momento depois do banho é o horário ideal para que a pele seja hidratada, pois há uma maior absorção de água e nutrientes pelas células cutâneas nos primeiros minutos após a limpeza. Além disso, ainda pode se tornar mais um momento especial de interação entre mãe e filho, exercido por uma suave massagem durante a  aplicação do hidratante. Procure escolher cremes ou loções também formulados para a pele infantil, com óleos naturais e de preferência sem álcool em sua formulação.
Imagens via

A importância da nutrição para uma pele bonita e saudável.

Investir em um bom creme ou em um tratamento estético de última geração ajudam a recuperar a firmeza, a maciez e a luminosidade da pele. Contudo, todas essas estratégias terão um resultado inferior se a sua alimentação, no dia a dia, não conseguir suprir o organismo da matéria prima que ele precisa. A nutrição adequada recupera a pele de agressões externas, combate os radicais livres que aceleram o envelhecimento e ainda produz colágeno, a substância que dá sustentação ao tecido cutâneo. “Funciona assim: uma dieta equilibrada fornece os nutrientes necessários às nossas células que, por sua vez, realizarão os processos fundamentais para garantir a saúde e o viço da pele”, explica a professora de Nutrição da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/ USP), Jocelem Mastrodi Salgado, autora de diversos livros sobre alimentação funcional, entre eles Previna doenças: faça dos alimentos o seu medicamento (Ediouro).

De maneira geral, para ajudar a prevenir e tratar os problemas de pele mais comuns, é fundamental garantir que o corpo receba vitaminas e minerais. As vitaminas A, C, D e E exercem funções antioxidantes e anti-inflamatórias, garantindo eficiência no combate aos radicais livres e, consequentemente, retardando o processo de envelhecimento. Outros nutrientes importantes são os minerais manganês e cobre, ambos envolvidos na síntese de colágeno, o zinco, que auxilia na cicatrização e previne a formação de rugas, e, por fim, o silício, que garante maior elasticidade. Para cada tratamento há alimentos específicos que devem ser adotados para recuperar a pele das agressões, mantendo-a saudável e bonita.
Imagens via
.
X

Dra. Rafaela Salvato

Dermatologista em Florianópolis

Filiada ao Conselho Regional de Medicina do Estado de Santa Catarina CREMESC sob n° 14.282, ao Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo CREMESP sob o n° 133.312 e registro de especialista (RQE) sob n° 10.934.

Especialização em Laser e procedimentos estéticos pela Harvard Medical School, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos da América, sob supervisão do Prof. Dr. Richard Rox Anderson...

Saiba mais

Clínica

Dermatologista em Florianópolis

Dermatologia Estética
Dermatologia Clínica
Laser

(48) 3225-4033

VISITE O SITE

Av Trompowsky, 291 Salas 403 e 404 – Torre 1
Medical Tower – Trompowsky Corporate
Centro – Florianópolis
Santa Catarina – Brasil